29 de fev de 2004

Força, Buscapé!

E hoje tem Oscar - a grande premiação da sétima arte. Dia de ver o Zé Pequeno subir no púlpito e dizer na frente de milhões de pessoas: “Dadinho o cacete! Meu nome agora é Zé Pequeno, porra!”. Seria o sonho, um grande discurso. Tocaria o coração de nós – brasileiros.

Estarei torcendo pela turma de Fernando Meirelles. Sei que não tem lá muitas chances, mas qual o mal de uma fezinha? Sei não, mas estou confiante na categoria “Melhor Fotografia”. Já perceberam que o filme tem três fotografias diferentes? No início é um aspecto meio amarelado, depois meio azulado e no final, bem escurecido. Segundo o pessoal do filme, cada modelo de fotografia representa uma época. Genial, digamos. Também coloco uma chance em “Melhor Montagem”. Simbora, rapaziada! Nada é impossível!

Acho que o melhor filme deve ser “Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei”. Apostaria algumas moedinhas. “Encontros e Desencontros” não merece tanta pompa assim. É um filme bom e cativante, mas não para um Oscar, meus caros. Fico enraivecido com a ausência de “Peixe Grande” e “Procurando Nemo”. Esses levariam a estatueta, sem sombras de dúvida.

Já “Melhor atriz”, eu não tenho a mínima idéia. A fenomenal Charlize Theron deve levar pra casa a estatueta, segundo os críticos. Levando em conta que ela parece outra no filme, de tão feia que está, acredito que ela papa o prêmio. Lembrem que a Nicole Kidman foi à premiada nessa categoria com uma prótese de nariz que a deixou um tremendo canhão (perdoe, madame Woolf). Acho que tem que estar feia pra ganhar nessa categoria, isso, se já não for (vide Meryl Streep, que concorre desde o ano em que nasci).

“Melhor ator”, eu torço por dois: Bill Murray e Johnny Depp. Do primeiro sou fã de carteirinha, e isso já basta. Tinha até seu boneco como “Caça Fantasmas” quando brejeiro. Mas levando em conta a atuação, o segundo merece a estatueta. Johnny está impagável em “Piratas do Caribe”. Não conseguia passar um segundo sem rir de sua atuação. E acredito ser mais difícil fazer rir a chorar.

“Diretor”, vou chutar no óbvio: Peter Jackson. Torço mais pelo representante brazuca. Porém, Sofia Coppola é minha aposta. Uma mulher ganhar essa estatueta seria algo inovador, e o Oscar às vezes gosta de inovar. Uma injustiça tremenda com Jackson, mas como todos sabem, o Oscar adora ferrar com gente bacana. Não aceito o fato de Jim Carrey não ter sido indicado a “melhor ator” por “Show de Truman” e o “O Mundo de Andy” até hoje. “Moulin Rouge” perder para “Uma Mente Brilhante” também foi dose. E Sean Penn não foi agradeciado por sua magnífica atuação em “I Am Sam”. Vai lá saber o que eles reservam para esse ano.

Todo ano tem um grande perdedor. “Mestre dos Mares” receberá essa alcunha, em minha humilde opinião. Se levar um troféu, já será muito. Se eu acertar tudo isso, ou grande parte, podem me chamar de Gustavo Ewald Filho!

Nenhum comentário: