3 de jan de 2009

10 Discos de 2008: 5) Girl Talk - Feed the Animals


Mashup é aquela velha história: você odeia ou você ama. Por muito tempo fiz parte do primeiro time. Ouvia aquela colagem entre duas músicas, soltava um muxoxo e imaginava qual a graça naquilo. Daí fui apresentado ao 2 Many DJs, mudei de opinião e percebi que não é apenas pegar dois hits e juntar o refrão de um com a melodia do outro, a fim de criar algo engraçadinho. Dá realmente para pegar esses elementos e tirar um caldo novo daí. Não é um mero control c + control v.

O DJ Gregg Gillis, a.k.a Girl Talk, é o grande mestre desse recorta e cola. Para mim, seus trabalhos são obras de arte, sem exagero. Com Feed the Animals, ele segue a fórmula vencedora de Night Ripper (2006). Tendo sempre como base o vocal de rappers ou cantores de soul e R&B, o disque-jóquei nos leva para uma viagem com tudo o que varreu a música pop nas últimas décadas. Ele não vai apenas nos singles radiofônicos (fiquei pasmo quando ele colocou Toby Lightman), mas escarafuncha o seu HD - o maquinário e o afetivo. Em faixas de cerca de três minutos, chega a disparar techos de mais de 15 canções!

É uma gigantesca colcha de retalhos que resulta num som único. Que, ironicamente, ninguém consegue copiar (assista aqui ao processo criativo do rapaz). Dá um bizú nas parcerias arquitetadas em Feed the Animals: Rihanna faz o backing vocal do Queen, Busta Rhymes rima com The Police, Faith no More tabela com The Fugees, Avril Lavigne solta o pancadão com Alphex Twin...

Detalhe: Gillis nunca reaproveita uma mesma música. Nem trechos diferentes. Se ele usa o refrão de Toxic, da Britney, acabou e pronto. Ele não vai aproveitar algo dessa faixa novamente, meu amigo! Nem no mesmo disco nem em outro.

Foda.

Discaço. Bom para dançar, correr (foi o grande companheiro, e incentivador de minhas corridas semanais no Parque Villa Lobos) e, lógico, pra memória. Sempre que cai um novo trabalho do Girl Talk, pego uma caneta e começo a (tentar) anotar num papel as músicas que reconheço. Acertar mais de 70% de uma simples faixa é uma tarefa impossível, já adianto.

PS: Feed the Animals pode ser baixado " de grátis". Mas, numa estratégia à la Radiohead, pode-se pagar pelo download. Você decide.



Nenhum comentário: